Colocação de transmissores de satélite em fêmeas reprodutoras

Uma parceria que permite estudar a ecologia espacial das populações reprodutoras de tartarugas de pente e verde da ilha de São Tomé.

Com o apoio financeiro da BP e o apoio técnico do Projeto TAMAR, foram colocados 25 transmissores de satélite em fêmeas reprodutoras de tartaruga de pente (n=15) e tartaruga verde (n=10), entre as temporadas de desova de 2019/2020 e 2020/2021.
Este projeto pioneiro na ilha de São Tomé tem como intuito estudar a ecologia espacial das tartarugas marinhas (áreas de utilização entre desovas, corredores migratórios e áreas de alimentação), e avaliar se as áreas utilizadas pelas tartarugas se correlacionam com as áreas de prospecção sísmica e exploração de petróleo, bem como irá permitir melhorar o conhecimento sobre o comportamento e distribuição das tartarugas marinhas que desovam na ilha e identificar áreas prioritárias para a sua proteção e conservação.
Estudos preliminares mostraram que nas suas migrações oceânicas atravessam águas territoriais desde Gabão, Guiné Equatorial, Costa do Marfim e Libéria.

principais resultados

25

transmissores colocados

2

populações estudadas

2

rotas migratórias distintas

galeria